• Paulo Sérgio Rosseto

ventanias

Tão fraca essa chuva desacompanhada de vento

Proveio certamente de alguma nuvem dispersa

Fugidia da madrugada de alguma noite sem graça

Estanque sobre o telhado acima da minha cabeça


Não que não mereça que meu derredor se molhe

Com essa calmaria própria dos bem-aventurados

Porem estou acostumado a solavancos constantes

Tanto que me estranha tamanha bonança repentina


Sou eu afeito de trovões e ventanias da montanha

Que sacolejam e soçobram insanos restolhos de asas

Absurdamente inconstantes entre abas e serpentinas


Por isso a minha casa é de pedra incólume e bruta

Plantada sobre sólidos e poderosos alicerces da lida

Mas despreparada à suave nudez de uma brisa

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto