• Paulo Sérgio Rosseto

três lagoas

Era eu menino e moravam caudalosos rios à minha frente

Tão longos, intermitentes, profusos, infindos e soltos

Em cujas margens verdes de silêncio ouvíamos absortos

O passar das horas nos longos trens sobre os nossos brios


Era eu crescido em meio às desertas largas ruas de areias

Que de uma calçada à outra mal se ouviam os clamores do futuro

Incompreendíamos os porquês de tanta luz e a tatearmos no escuro

À procura dos sonhos que regessem as nossas jovens veias


Agora longe, atrás do tempo que escoara por aqueles trilhos

Ancorei meu barco num falso porto refestelado de saudades

Onde tudo é pedra, pressa, asfalto, agito, instância sem volta


Ainda existem rios porem não mais com as mesmas aguas

Permanecem as ruas mas estas ignoram toscas verdades

De que envelhecem os olhos mas as valsas ainda sonham-te

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto