• Paulo Sérgio Rosseto

SEM PODER CHEGAR

Já não posso ir

Sair é um fosso fundo do poço

Inacreditável surreal

Indizível destroço

O homem se esconde do mundo

Completamente impotente

Nada mais é importante

Diante do incomum

Nem a hierarquia dos anjos

Nem a comunhão dos santos

Nem o descredito ateu

Nada se faz mais tosco sobre a terra

Senão a incerteza da espera

Ante a ciência da humana miséria

Talvez haja ainda uma era

Um tanto menos vulgar

Em busca de caminho

Já não posso ir sem poder chegar

2 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto