• Paulo Sérgio Rosseto

PIRATA

Arrebataria meu barco em alto mar

De encontro a um vagalhão inesperado


Alquebrada, a proa soçobraria a estibordo

E suas partes desencontrariam por esse velho casco


Assim esfacelando blocos inteiros

Afundariam docemente entre as salgadas lágrimas

De olhares brejeiros


Entenderíamos que a solidão do mar

Seria bem menor que a de não amar

E que a dor de amar nada seria

Ante a ávida gula desse voraz veleiro

Inundado de saudade navegada e navegante

Por um qualquer timoneiro

Apartado de ansiedade retida sem serventia


Quisera atirar nesse oceano toneladas de poemas

E vê-los manchando as encostas

Escritos nas areias meladas de poesia

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto