• Paulo Sérgio Rosseto

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra

Peça com veemência

A ti disporei todos os sentidos

Ouvidos

Para que inteire da tua sentença


Somente não exija que compadeça

Não há complacência quando se força

A teimosia insensata em acreditar

Consentir

Nem que adiante se arrependa


Hoje talvez conceba certos arroubos

Diferentemente do que outrora entendia

Damo-nos ao direito de repensar

Antever

Essa surtada e disforme dicotomia


Somos todos imperfeição de conceitos

O que defendo porque creio

Não deveria colocar-me acima

Sobreposto

Ao oposto dos teus preceitos


Quando será que dissolveremos

Essa farsa açodada

Sufocante cegueira de cadafalsos

Dissimulados

Que nos põem tão pequenos descalços


Por isso tenho medo de dormir

Em dias semelhantes e tão iguais

Que afugentam nossas historias

Experiências

Ato supremo da razão do existir

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

perder-se no cego amor

O amor sempre acaba na hora incerta Como botijão que seca no fazer do almoço Como agua que falta em meio ao banho Net que falha na transação do boleto E Deus que ignora fazendo-se moco Em resumo nada

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto