• Paulo Sérgio Rosseto

NO LÁBIO DA BOCA QUE LHE BEIJA

Apesar de ter saboreado muita coisa elementar

Propalo unicamente o mínimo que me sustente

Por isso tão ínfima a descrição de mim

Sou aquela que nada apreende e pouco ensina

Que ensimesma banalidades e fúteis posições

Que torce e se prende por onde o vento determina

Que usa do pensamento a consorte mais leve

Sou a mesma medida que o tempo me deve

Porem muito aquém das boas chances que tive

Sou por fim essa complexa completa ociosidade

Ocupando os espaços que a vida me mede

Porquanto a aparência que você me inveja

Veja-me como infundada abrupta e banal

Sou a úmida língua no lábio da boca que lhe beija

1 visualização

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto