• Paulo Sérgio Rosseto

NO FERVOR DA MADRUGADA

Essa tua ousada libido Mora num lugar tão quieto e calmo Que ate mesmo qualquer vento perdido Deitando-se em teu colo cheiroso Inventaria de não mais ventar Somente pra te ver suada

Mas esse indiscreto arzinho Desperto de gula e prazeres Eriça e te rebuliça os mamilos Revira teus olhos bonitos Desabrocha teu danado risinho Põe-te do avesso acordada Adentra a tua vontade faceira E arteiro se esconde mansinho Por entre os teus pelos macios

No fervor da madrugada Quem não cobiça e se atiça Após a insônia do cio Aos apelos da geladeira?

2 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto