• Paulo Sérgio Rosseto

máscaras

De repente privastes-me os lábios

Ainda que estejas à minha frente


É diferente ouvir tua voz

Sem vê-los pronunciar as palavras

Entender a gargalhada

Sem poder contempla-los sorrir

Sentir que me querem e beijam

E não olha-los franzir maliciosamente  

Quando a língua os umedece

Sibilar por entre os dentes


Escondem-se do batom

Daquele tom que tão feliz te põe

Ficaram ocultas as maçãs da face

Que aspiravam meus olhos no relance

Pelo contorno da tua insinuante boca

Semicerrada quando me ouvias atenta

Balbuciante e de mim faminta


Perdestes o balanço da cara

Assoprando fios rebeldes do cabelo

Que compõe a tua morenice doce  


Que saudade de quando mentias

Insinuantes e disfarçados caprichos

Expressões e segredos sem máscaras

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto