• Paulo Sérgio Rosseto

ITINERÁRIOS

Tenho guardados em estojos

Alguns caminhos já percorridos

Deixo-os dobrados, organizados

Dentro de envelopes recolhidos

E quando os quero refaze-los

Desdobro-os e volto a seguir

Pelos mesmos itinerários


A cada reinicio de caminhada

Percebo tacitamente

Como os meus pés tornaram-se íntimos

De certos chãos das estradas

Pois foi andando de ida ou retorno

Que recolhi essa identidade

Pisando por solos estranhos

Passando refém pelos sonhos

Incólume às agruras do nada


Dentro destas gavetas de curvas

Retas, ladeiras e revezes

Tantas vezes apreendi minha sorte

Questionando os rumos vorazes

Que me tangeram de um lado a outro

Levado por certos mandos


Enfim percebo já um tanto abastado

Que o prêmio muito além da procura

Em cada trilha foi haver te encontrado

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto