• Paulo Sérgio Rosseto

INVOLUNTÁRIOS

Atualizado: Jan 15

Tenho vontade de pular o muro

Sair da rua

Cair no teu quintal

Enfrentar tuas sombras correndo atrás dos meus dilemas


Você também poderia

Vir agora em meu pomar

Trazer mais flores para o jardim

Recolher as roupas estendidas no varal ou despi-las


Poderíamos nos encontrar em qualquer um dos portões

Da minha casa ou da sua

Conversar pelo interfone

Dizer se chove ou faz frio se tem sol ou noite ou lua


Combinar um pernoite

Qualquer café num perfume


Mas continuamos involuntários

Certos de que as vontades passam

Bastando ignora-las como fazemos com as ousadias


Enquanto isso a noite morre o dia


1 visualização

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto