• Paulo Sérgio Rosseto

INQUIETO

Na areia da praia olhando essas ondas

Disciplinadas que vem e se perdem

Não se ocupam de outro afazer

Senão intermináveis sucederem-se

Independente das marés

Somente cumprem vontades dos ventos

Ou então de seus pequenos mares

Pergunto-me por onde andam os propósitos

Que tantas e tantas vezes rogado jurei


Passaram enfurnados pela mesma janela azul

Por dias enfileirando essas horas cruas

Repletos de tanta poesia explicando as agruras

Correntes vermelhas internas em mim.

Presos à pele por dentro dos vasos e veias

Entrevendo diferenças entre espirito e matéria.

Tão vulnerável, leviana e desconexa

É minha alma concreta fatiando mantas nas carnes

Penduradas sobrepostas sobre mantos de areia


Podre é o submundo do mundo que julga

O improprio preconceito de todo azedo

Recolhido para investigativas biopsias

Analisadas pelas lentes toscas da miopia

Que assolam a criação dos conceitos

Preconizados robotizantes me guiando

Para onde não fossem meus versos jamais saberia.

O fim que me espeta aos braços da determinação

É o que me sustenta inquieto sobre a terra

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto