• Paulo Sérgio Rosseto

EVIDENTES


Bem sei que lá fora há riscos evidentes Porem a ânsia do noturno fascina e clama

Entretanto não voo por temor mas razão frágil Permaneço quieto enquanto escuro Ainda que as asas esgueiram-se ágeis Entre galhos, lençóis e travesseiros Às vezes passados, outras em frangalhos Dobrados justapostos pela casa

Camuflado ninho de penas e folhas

Contenho ao ímpeto que me chama Tão insone como tantas vezes faço Equilibro imóvel como toda ave Até que o sol em consideração Volte dúbio num pio um raio à forra Nesta vasta e ampla liberdade de sonho Que não me tolhe e sim acolhe e ampara

São assim os limites de quem ama Soturnas as amarras ainda que pense Por não ser recíproco a quem lhe possa

Recolhe-se por amor à própria sorte

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto