• Paulo Sérgio Rosseto

DIABRURINHAS

Passemos incólumes pelas diabrurinhas do tempo

Assim evitaremos que o mundo sofra

E se desgaste e dobre inútil por nossas sobras


Não é justo que as agruras derrubem nossos laços

Que o bagaço da impiedade sobrepunha os bons frutos

Que alguns vieses destruam as referências

Que não haja perdão aos pecados breves

Que os muros cerceiem nossos traços


Passeemos vivazes pela orla das benesses

Recolhendo as danuras que porventura resultem dores

Certamente estaremos mais leves

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto