• Paulo Sérgio Rosseto

DESMANCHE

Meu coração tem teto de glace martelado

Paredes de geleia acartonada

Porta e janela de gelatina caulim

Chão de papel machê encorpado

Escada em espiral e caracol de caramelo

Forro de anilina adocicada de anil


Quando choro tudo se desprende e derrete

Menos o telhado que flutua lerdo

Num rio placebo amarelo que viaja em mim

E se precipita aos pedaços rumo ao cerebelo

E se arrebenta no precipício da alma deserta

Zunindo um grito forte ferindo os tímpanos


Tua ausência me propõe alerta à espreita

Mas quando convenço que você não vem

Alicerce nenhum me sustenta

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto