• Paulo Sérgio Rosseto

constância

Mesmo os rios de tantas vezes

Não se topam infinitos

Fazem curvas entre matas

Ah! contornam pelas pedras

Circundam barrancas

Às vezes tornam-se menos nítidos

Mas não sei se mais rasos ou profundos

Mansos e bonitos e disciplinados

E se acabam assoreados

Ou no colo de outras águas

Às margens em voltas e vindas


Alguns rechaçam

Aquele necessário momento de introspecção

E trocam a correnteza da foz

Por passeios na praça

Derramam-se entre as ruas

Espreguiçam rebeldes nos quintais

Até invadem casas

Encharcam fogões e camas

Depois dormem enlameados

Da fúria represa de suas mágoas


O bote de minha vida segue seu curso

Apesar da inconstância e dos temporais

Eu é quem não sei ser sereno

Abrupto riacho e tão pequeno

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto