• Paulo Sérgio Rosseto

certas vontades

Tenho certas vontades

Que ninguém acreditaria se as contasse

Tão inimagináveis que certamente surpreenderia


Mas o que seriam os anseios

Senão se evidentes o viço para a imaginação fértil

O alimento essencial da curiosidade alheia


No entanto tudo deixa de ser desejo

Quando calo as suas possibilidades

Ao primeiro pasmo que sobeja


Fervilha em mim qualquer coisa razoável

Dessas que instigam e incendeiam

Pelo simples fato de tornar-se exposta


Ante ao que sonho e vivencio

Há um abismo de considerações falhas

E é por elas que vivo buscando respostas

2 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto