• Paulo Sérgio Rosseto

CERTAMENTE MORREREI

Certamente morrerei mais tantas vezes

Pois meu orgulho poderá não desaparecer

E exigirá que me repita nesse ato final

O quanto necessário precise padecer


Já morri de amores, de imediato contentamento

Saudade, alegria, felicidade plena, frio e de rir

De inveja, medo, prazeres, desconfiança e sono

Na prescrição das dores que me fazem reviver


De repente a morte continue seu laboratório

E se experimente mais em minha espiritualidade

Aprimorando seu oficio em me matar por onde for


Apenas não gostaria de viver no abandono

De quem não sentirá pesar algum estando ausente

Ao recobrir na terra aberta meu ultimo momento

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto