• Paulo Sérgio Rosseto

À PROCURA DA HORA CERTA

Estamos todos à procura da hora certa

Inventando estranhos costumes para usa-la

E nunca a achamos, mesmo estando despertos

Em constante sentinela


Dizem que há esse momento exato

De ventura ou de absoluto azar

De aguardar o fruto ser maduro

De ignorar ouvir o fluxo que condiz

E valorizar balelas presas no verso da antessala


Vivemos cercados de consensos e querelas

Desconhecendo os segredos da boa ou má sorte

Que nos apanham constantemente desprevenidos


Para onde nos levarão então

As facetas incineradas desses sonos mal dormidos?

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

a irmã gêmea de minha imagem

A irmã gêmea de minha imagem Caminha em forma de sombra em mim grudada E a cada gesto meu transfigura-se tão rara Que ninguém percebe de tão comum E se apercebe nem repara Por vezes retém dedos e traç

o que defendo porque creio

Convença-me com qualquer palavra Peça com veemência A ti disporei todos os sentidos Ouvidos Para que inteire da tua sentença Somente não exija que compadeça Não há complacência quando se força A teimo

eu tanto disse te amo

Eu tanto disse te amo porem a tão poucas que a minha boca passou a omitir a pronúncia dessa oração Acostumou-se a ficar calada para não ser repetitiva afinal com qual propósito tanto dizer uma obvia e

© 2020 by ONDAX

  • Facebook PSRosseto
  • Instagram PSRosseto